revistadestaque@terra.com.br
(67) 3384-4384

Preço da carne subiu em média 31% ao longo de 2019, mostra pesquisa

Alta de alguns cortes bovinos chegou aos 48%

25 de Dezembro de 2019
15:00
Foto: Álvaro Rezende/arquivo Correio do Estado

Entre altos e baixos, o preço da carne bovina ficou em média 31% mais caro ao longo de 2019. É o que mostra levantamento do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas (Nepes) da Uniderp feito a pedido do Correio do Estado, com registros dos valores de janeiro até a terceira semana de dezembro. O acém e a agulha foram os cortes com maior porcentual de acréscimo nesse período. Eles subiram 48,84% com o quilo saltando de R$ 14,49 para R$ 21,56 em média. A paleta teve acréscimo de 45,21%. No começo do ano, o quilo dela custava R$ 14,99 e agora está em R$ 21,76. Quem não abre mão de proteína bovina tem como opção o fígado, que teve a menor variação (14,45%). Na pesquisa do Nepes, o corte era encontrado por R$ 9,81 em janeiro e hoje custa em torno de R$ 11,23. Esse é o item mais barato da lista, embora haja quem não goste. O músculo, outro corte bastante consumido pelos consumidores principalmente moído, está custando R$ 20,64. Ao longo de 2019 ele subiu 42,47% conforme o levantamento, já que chegou a custar R$ 14,49. A picanha mantém a fama de carne cara e na semana passada alcançou a marca de R$ 48,45. Nos últimos 12 meses ela variou 32,12%. OPÇÕES NEM TÃO BARATAS Conforme o Nepes, o quilo do frango teve variação de 16,83% dentro do período analisado. O maior aumento foi registrado na coxinha da asa, que subiu 10,54% e na semana passada estava custando em torno de R$ 12,84. A moela, que entre os produtos relacionados a aves é sempre o mais em conta, teve o segundo maior acréscimo, de 19,77%. Os pesquisadores da Uniderp calcularam que a média do quilo desse miúdo até o último sábado era de R$ 9,57 e no começo do ano ele estava em R$ 7,99. Já as coxas e sobrecoxas aumentaram 19,01% em 2019. O quilo em janeiro custava em torno dos R$ 8,49 e agora são vendidos por R$ 10,10 em média. Os ovos, que também são proteínas alternativas quando a carne está muito cara, subiram 30,42% desde janeiro. Conforme o levantamento, a dúzia do tipo A que custavam R$ 5,14 agora saem em média por R$ 7,79. Isso resulta em uma variação de 51,62%. Já os ovos brancos médios aumentaram 15%, passando de R$ 4,89 para R$ 5,62 no decorrer de 2019, lembrando que no decorrer dos meses esse produto pode ter atingido picos ainda mais caros. SUÍNOS A carne de porco aumentou 32,94% em média desde janeiro. Conforme o Nepes, somente o quilo da bisteca fresca variou 30,18% no período e a costeleta teve alta ainda mais expressiva, de 45,75% ao subir pouco mais de R$ 6. Fonte: Correio do Estado

Matéria não encontrada!