revistadestaque@terra.com.br
(67) 3384-4384

Armadilhas vão monitorar comportamento do mosquito da dengue e determinar ações

Ovitrampa simula vaso de planta e é colocada em imóveis pré-determinados

10 de Janeiro de 2020
18:00
Foto: Divulgação/PMCG

A prefeitura de Campo Grande deve montar até o fim deste semestre armadilhas que servirão para medir a presença do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, febre chikungunya e zika vírus, e pautar ações de combate. As chamadas ovitrampas já foram instaladas em bairros das regiões urbanas do Imbirussu e Lagoa. Já começaram a ser montadas as estruturas da região urbana do Anhanduizinho. De acordo com a Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV), da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), as armadilhas são colocadas em imóveis pré-definidos, com o consentimento do proprietário, onde permanecem por um período inicial de sete dias, sendo posteriormente recolhidas e levadas ao laboratório da coordenadoria para a checagem e contagem de ovos, o que vai revelar a proporção na incidência do vetor. Com isso, é possível mensurar se houve ou não aumento na infestação do Aedes aegypti naquela localidade, otimizando assim o trabalho. As ovitrampas simulam o ambiente perfeito para a procriação do Aedes aegypti: um vaso de planta preto é preenchido com água, que fica parada, atraindo o mosquito. DADOS O trabalho de atualização do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) continua sendo realizado nas sete regiões de Campo Grande. O levantamento é importante para mapear os pontos mais críticos e auxiliar nas ações estratégias a fim de otimizar as ações de combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya e garantir que as mesmas sejam efetivas. Durante todo o ano de 2019 foram registrados 39.417 casos notificados de dengue em Campo Grande, sendo 19.647 confirmados e oito óbitos. Apesar dos números expressivos impulsionados pela epidemia do último ano, o mês de dezembro fechou com aproximadamente 45% a menos de casos registrados no ano anterior. Foram 355 notificações contra 519 de 2018. Até o dia 8 já foram notificados 59 casos de dengue e 1 de zika em Campo Grande. Fonte: Correio do Estado

Matéria não encontrada!