revistadestaque@terra.com.br
(67) 3384-4384

Dólar chega a R$ 4,38, mas passa a cair após atuação do BC

Na terça, dólar fechou em alta de 0,55%, a R$ 4,3505. Moeda acumula valorização de 8,5% no ano.

13 de Fevereiro de 2020
09:30

O dólar começou a quinta-feira (13) batendo novas máximas e chegando a R$ 4,38, após quatro quatro recordes consecutivos em relação ao real. Cerca de uma hora após o início dos negócios, no entanto, a moeda mudou de rumo e passou a cair, depois que o Banco Central anunciou um leilão extra de contratos de swap cambial. Às 15h18, a moeda norte-americana era vendida a R$ 4,,35, em queda de 0,01%. Na máxima do dia até o momento, chegou a R$ 4,3830. Já o dólar turismo era negociado na casa de R$ 4,52, sem considerar o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Na véspera, o dólar encerrou o dia vendido a R$ 4,3505, em alta de 0,55%. Na máxima da sessão, chegou a R$ 4,3535, também o maior valor nominal (ou seja, sem considerar a inflação) já alcançado durante as negociações. No mês, o dólar acumula valorização de 1,53% e, no ano, de 8,5%. Já o dólar turismo, vendido nas casas de câmbio, fechou a R$ 4,54 sem acréscimo do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Leilão de swap O Banco Central vendeu nesta quinta-feira todos os contratos de swap tradicional da oferta de até 20 mil, com vencimentos em agosto, outubro e dezembro de 2020, num leilão que se seguiu à disparada do dólar à máxima histórica de R$ 4,38. Por meio dos contratos de “swap cambial”, o BC realiza uma operação que equivale à uma venda de moeda no mercado futuro (derivativos), o que reduz a pressão sobre a alta da moeda. Os swaps são contratos para troca de riscos: o BC oferece um contrato de venda de dólares, com data de encerramento definida, mas não entrega a moeda norte-americana. No vencimento desses contratos, o investidor se compromete a pagar uma taxa de juros sobre o valor deles e recebe do BC a variação do dólar no mesmo período. Esses contratos servem também para dar “proteção” aos agentes que têm dívida em moeda estrangeira – neste caso, quando o dólar sobe, eles recebem sua variação do BC. Polêmica O câmbio virou motivo de polêmica na quarta-feira. Em evento em Brasília, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o dólar mais baixo permitia empregadas domésticas irem à Disney, nos Estados Unidos. O ministro acrescentou que a alta do dólar fará "todo mundo conhecer o Brasil". "Não tem negócio de câmbio a R$ 1,80. Vou exportar menos, substituição de importações, turismo, todo mundo indo para a Disneylândia. Empregada doméstica indo pra Disneylândia, uma festa danada. Mas espera aí? Espera aí. Vai passear ali em Foz do Iguaçu, vai ali passear nas praias do Nordeste, está cheio de praia bonita. Vai para Cachoeiro do Itapemirim, vai conhecer onde o Roberto Carlos nasceu. Vai passear no Brasil, vai conhecer o Brasil, que está cheio de coisa bonita para ver", declarou.

Matéria não encontrada!