revistadestaque@terra.com.br
(67) 3384-4384

França e Itália proíbem uso da hidroxicloroquina para tratar a Covid-19; Bélgica faz alerta contra a droga

Desde o fim de março, o medicamento era utilizado de maneira excepcional nos hospitais franceses para tratar casos graves do novo coronavírus.

27 de Maio de 2020
16:30
Foto: JN

O governo da França proibiu nesta quarta-feira (27) oficialmente o uso da hidroxicloroquina para tratar a Covid-19 nos hospitais. A decisão foi tomada depois que duas entidades responsáveis pela saúde pública no país se declararam contrários à utilização da substância. A Agência de Medicina da Itália (AIFA) também suspendeu a autorização de uso da hidroxicloroquina contra a Covid-19 fora de testes clínicos. Desde o fim de março a hidroxicloroquina, derivado da cloroquina (medicamento de combate à malária) era utilizada, de maneira excepcional, nos hospitais franceses para tratar casos graves do novo coronavírus. O uso em testes clínicos continua autorizado. "Seja em consultas ou no hospital, esta molécula não deve ser prescrita para pacientes afetados pela Covid-19", afirmou o ministério da Saúde, após a publicação do decreto de proibição no Diário Oficial. O governo francês decidiu proibir a hidroxicloroquina depois que o Alto Conselho de Saúde Pública desaconselhou seu uso na terça-feira (26), com exceção dos ensaios clínicos, segundo a agência France Presse. A recomendação vai no mesmo sentido de uma recomendação da Agência Nacional de Segurança de Medicamentos e Produtos de Saúde (ANSM). Bélgica alerta contra continuação do uso A agência de medicina da Bélgica, por sua vez, alertou contra a continuação do uso do remédio para tratar o vírus, exceto em testes clínicos registrados em andamento, dizendo que os testes que visam avaliar o medicamento também deveriam levar em consideração os riscos em potencial. Riscos de morte e piora cardíaca A hidroxicloroquina, receitada geralmente para doenças autoimunes como o lúpus, é um dos medicamentos utilizados em testes clínicos desde o início da pandemia no planeta. Porém, um amplo estudo publicado publicado na semana passada pela renomada revista médica "The Lancet" destacou a ineficácia da hidroxicloroquina e a cloroquina no tratamento da Covid-19. O estudo com 96 mil pacientes indicou que, além de não favorecer a recuperação dos infectados, as substâncias provocam um risco maior de morte e de desenvolvimento de arritmia cardíaca. Após o estudo publicado na "The Lancet", a Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu suspender temporariamente na segunda-feira o uso da hidroxicloroquina em pesquisas que ela coordenava com cientistas de 100 países. Uso no Brasil Mesmo sem comprovação científica de que a cloroquina é capaz de curar a Covid-19, o Ministério da Saúde do Brasil divulgou na quarta-feira (20) um documento que orienta o uso da hidroxicloroquina no país em até em casos leves de Covid-19. A orientação do Ministério da Saúde reflete um desejo do presidente Jair Bolsonaro, defensor da cloroquina no tratamento da doença causada pelo novo coronavírus. A recomendação foi feita apesar dos estudos internacionais não encontraram eficácia no remédio e a Sociedade Brasileira de Infectologia não recomendar o seu uso. Especialistas brasileiros criticaram a decisão. O protocolo da cloroquina foi motivo de atrito entre Bolsonaro e os últimos dois ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Em menos de um mês, os dois deixaram o governo. Fonte: G1

Matéria não encontrada!