revistadestaque@terra.com.br
(67) 3384-4384

Em prisão domiciliar, ex-presidente colombiano Uribe é diagnosticado com Covid-19

Ex-presidente e atual senador foi detido na terça-feira em sua casa de campo na província de Córdoba, e é acusado de manipular testemunhas. Ele teria sido contaminado por funcionários que não sabiam que estavam com coronavírus, segundo imprensa colombiana.

05 de Agosto de 2020
18:37
Foto: Reuters/Nathalia Angarita

Um dia depois de ter sua prisão domiciliar decretada pela Suprema Corte da Colômbia, o ex-presidente e atual senador Álvaro Uribe recebeu um diagnóstico positivo de Covid-19. Ele está assintomático e receberá tratamento em casa, sem precisar de hospitalização. Ele está em sua casa de campo na província de Córdoba, e teria sido contaminado por funcionários que estavam doentes sem saber, segundo a imprensa colombiana. "A privação de minha liberdade me causa profunda tristeza por minha esposa, minha família e pelos colombianos que ainda acreditam que eu fiz algo de bom pelo país", escreveu Uribe no Twitter na terça-feira, ao ser informado que a Suprema Corte havia determinado sua detenção, mas antes de saber que poderia cumprir prisão domiciliar. Acusações O ex-presidente de direita é investigado por manipular testemunhas na qualidade de senador, o que poderia levá-lo a julgamento por dois crimes relacionados (suborno e fraude processual) e punidos com cerca de oito anos de prisão. Uribe havia sido interrogado pelos juízes em 9 de outubro. O ex-presidente acabou envolvido em uma guinada inesperada da justiça, de acordo com a agência Frace Presse. Em 2012, Uribe apresentou uma denúncia contra o senador de esquerda Iván Cepeda por um suposto complô contra ele, apoiado em falsos testemunhos. Uribe afirma que Cepeda - um de seus maiores adversários políticos e testemunha em seu processo - contatou ex-paramilitares para que o envolvessem em atividades criminosas dos grupos de ultradireita que combateram implacavelmente as guerrilhas esquerdistas. Mas a corte se absteve de denunciar Cepeda e decidiu abrir em 2018 uma investigação contra o ex-presidente pela mesma suspeita: manipulação de testemunhas contra seu adversário. Fonte: G1

Matéria não encontrada!