revistadestaque@terra.com.br
(67) 3384-4384

Ministério faz reuniões com laboratórios de 5 vacinas contra a Covid para discutir 'possíveis futuras aquisições'

Pfizer, Janssen, Sputinik V, Moderna e Covaxin estão na lista de empresas recebidas pelo Ministério da Saúde. Secretário alerta que compra depende de análise de critérios e obtenção de registro na Anvisa.

19 de Novembro de 2020
21:23
Foto: Joel Saget/AFP

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, diz que o governo federal vai concluir nesta semana uma rodada de reuniões com representantes de cinco desenvolvedores de vacinas contra a Covid-19. "Serão realizadas até o final desta semana reunião com cinco laboratórios que estão com vacinas em estágio avançado de testes e com previsão de início de registro brevemente", explicou Franco. Na lista dos fabricantes está: Pfizer/BionTech (EUA/Alemanha) Janssen (EUA) Instituto de Pesquisa Gamaleya (Rússia) Moderna (EUA) Covaxin (Índia) "O que deve ocorrer a partir dessas reuniões, entendendo uma série de premissas que eu vou abordar em breve, serão memorandos de entendimento não vinculantes para possíveis futuras aquisições", disse Franco. O secretário listou como condições de análise das vacinas: segurança, eficácia, produção em escala, oferta em tempo oportuno, preço acessível, condições logísticas favoráveis e possuir o registro. "A aquisição de qualquer vacina só pode se dar conforme a legislação brasileira e eu só posso comprar o que existe. Legalmente uma vacina só vai existir para o Brasil quando estiver registrada na Anvisa" - Elcio Franco Três parcerias no Brasil Atualmente, o Brasil tem parceria para futura produção de três candidatas à vacina. ChAdOx1 - O governo federal fechou acordo para compra da ChAdOx1, desenvolvida pela AstraZeneca/Oxford, e prevê parceria com a Fundação Oswaldo Cruz para produção do imunizante no Brasil. O governo federal vai investir R$ 1,9 bilhão para produção de 100 milhões de doses. CoronaVac - Já o governo de São Paulo tem acordo para compra da CoronaVac, em produção pela farmacêutica chinesa Sinovac, e o Instituto Butantan será parceiro na produção da vacina. Há previsão de que as 120 mil primeiras doses da CoronaVac cheguem ao Brasil na sexta-feira, 20 de novembro. Até agora, este é o anúncio mais avançado sobre a chegada de vacinas no Brasil. Sputnik V - Também existe acordo do governo do Paraná com a vacina Sputnik V, do Instituto Gamaleya, da Rússia. Além das parcerias, o governo federal fechou acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) para receber 42 milhões de doses de uma vacina contra a Covid-19 dentro da iniciativa chamada Covax Facility. Ainda não está definida qual será a empresa fornecedora. Atualmente, a OMS monitora um portfólio de vacinas candidatas. O governo brasileiro vai investir cerca de R$ 2,5 bilhões no acordo. Fonte: G1

Matéria não encontrada!